terça-feira, 18 de maio de 2010

UNICASTELO PROFESSORES DE ARTES VISUAIS EM GREVE

APOIADOS!
Como uma universidade pode fazer isto com seus professores? Logo eles, responsáveis pela boa avaliação do MEC? Eles que, mais que professores, são nossos amigos, companheiros de Artes e Mestres das linguagens visuais, história e filosofia? Ofende aos alunos, ofende aos professores, ofende a própria universidade que se mostra indigna de confiança diante de tudo isto.

13/05/10
Nós, professores da UNICASTELO comunicamos à comunidade que desde 12/05/10 às 20 horas deliberamos em Assembléia a GREVE.


>

> A GREVE se deve pelo NÃO pagamento dos salários referente ao mês de abril. Tal decisão faz parte de um processo de negociação, que vem sendo feito por uma Comissão de Professores com a reitoria desde segunda-feira (10/05). Porém, até o momento, não temos nenhuma perspectiva de solucionar essa situação insustentável.

>

> Cabe destacar que o problema, acima exposto, representa o ápice de um conjunto de elementos que ferem nossos direitos trabalhistas:

>

> • falta de pagamento de 1/3 de férias referente ao ano de 2009;

>

> • falta de depósito do FGTS desde 2009;

>

> • falta de pagamento de folha complementar, que incluem horas de orientação de estágio e atividades complementares, entre outras.

>

>

> Esse quadro também gera insegurança a futuros pagamentos de salários e férias.

>

> Ressaltamos que a GREVE associa-se ao nosso compromisso com uma formação de excelência, uma constante na construção de profissionais comprometidos com uma sociedade mais justa. Dessa forma, reforçamos nosso compromisso com os alunos, garantindo que isso não afetará sua formação profissional.



Esperamos a compreensão e apoio de toda comunidade. Entendemos que essa situação afeta diretamente professores, alunos e funcionários bem como todos aqueles que dependem direta e indiretamente da UNICASTELO.



Comissão de Greve




14/05/10
Prezados (as) Alunos (as),


> Nós, professores da Unicastelo, comunicamos a continuidade da GREVE iniciada no dia 12/05/2010, às 20h, pelos motivos já explicitados no comunicado anterior, ou seja, o não pagamento dos salários do mês de abril.


> Gostaríamos de reiterar que a GREVE legitima nosso compromisso, outrora mencionado, com a qualidade do Ensino desta Universidade. Tal compromisso se revelou, por exemplo, na avaliação institucional do MEC (Ministério da Educação e Cultura), em que a nota elevada obtida é fruto do nosso envolvimento e trabalho comprometido com Universidade e a sociedade como um todo.

> Destacamos a defesa da construção da Universidade como um espaço democrático de formação profissional e política com a perspectiva de educação comprometida com interesses éticos e humanitários.

> Lembramos, ainda, que os alunos não serão prejudicados, pois nosso compromisso docente com a educação revela-se também em nossos atos, sejam eles voltados para a garantia de nossos direitos ou, ainda, pela luta por uma educação de qualidade. Sendo assim, reafirmamos que isso não afetará sua formação profissional.

> Por fim, agradecemos imensamente as constantes manifestações de apoio que temos recebido da comunidade discente, o que nos fortalece, uma vez que reflete o resultado positivo de nosso trabalho e compromisso com a Instituição Unicastelo.



Caros alunos,

18/05/10


> A assembléia dos professores realizada ontem (17/05/10) às 19:30hs deliberou por unanimidade a continuidade da greve.


> Nessa semana realizaremos um ato de protesto em frente à reitoria. Contamos com a participação dos alunos e informaremos mais detalhes em breve.

> Uma nova assembléia de professores foi marcada para a próxima segunda-feira, dia 24/05 novamente às 19:30hs. Caso não haja nenhum novo posicionamento da reitoria a greve se mantém até lá.

> Qualquer novidade entraremos em contato.

Um comentário:

Tarcísio Hayashi disse...

Interessante ver que categorias do setor privado também estão se mobilizando pela luta por seus direitos, a exemplo dos motoboys que organizaram manifestação nesta semana. A greve é direito, pois há momentos em que a coisa fica insustentável.

Ou ainda como diria um transeunte num dos piquetes que participei: Isso é coisa do Lula. Foi ele que ensinou isso para os vagabundos.

É malandragem, a vida não tá fácil não, mas deixa que eu seguro esta bronca...