quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Chegada de mais um poeta a este blog


As velas vagam pra alem dos barcos,
As velas vão e vem sem necessidade de justificarem-se,
As velas bailam sorvendo o prazer da liberdade,
E as ondinas amargam no cais,
A inegável certeza de que mundo é mito,
Pois construidas sobre mitologias e miragens,
Estão todas as equações que gestam o que está descrito como humanidade,
Por fim rezam com mãos espalmadas os seres oníricos,
Ao enxergarem-se como último recurso de sobrevivência,
Diante de uma realidade que desautoriza a resistência,
Que condena a sobrevivência,
Que expurga a alquimia e cosmogoliza o ter como algo de maior importância,
Que o ser...
Pois mesmo quando não é possível conseguir-se permanecer juntos ,
Continuam tendo dentro a centelha do cãos que tudo faz transbodar.
Sobre o arremesso da poeira do tempo,
Reconstroe-se a estrutura das normas,
Porem as normas do certo e do errado não calibram,
A forma da signiificativa e verdadeira felicidade,
Felicidade é um lugar intangível,
Onde cada pé tem um sapato pré-destinado,
A aquecer tal pé nas noites mais frias do ano.
Alfa, gama ou beta.
Sonho, mergulho ou raio de sol.
Da colina ao edifício o lícito e o devaneio,
Certificam as páginas impressas do folheto,
E realizam a imperceptível e continua turbulência da existência,
Que se disfarça dentro do transbordante copo de whisky do diabo.

Ivan Néris adentra o vale...

4 comentários:

Nando Z disse...

Salve Salve Ivan Neris!!!
qdo eu li "Alfa, gama ou beta" tinha certeza que era o claudemir rsrsrs, veio bacana inté!!

Escobar Franelas disse...

Welcome, my dear!

Tarcísio Hayashi disse...

Onde eu compro o tal uísque?

Só pra eu ficar louco e viajar um pouco pra fora deste mundo!

Tiago Araújo disse...

"Felicidade é um lugar intangível,
Onde cada pé tem um sapato pré-destinado,
A aquecer tal pé nas noites mais frias do ano."

diante da fúria Ivanerística, que se pode comentar? hein? Digam-me!